Efeitos de Diferentes Níveis de Proteção Sobre a Estrutura de Comunidades Recifais

Nome: Helder Coelho Guabiroba Júnior
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 28/06/2018
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Ciro Colodetti Vilar de Araujo Co-orientador
Jean-Christophe Joyeux Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Agnaldo Silva Martins Suplente Interno
Angelo Fraga Bernardino Examinador Interno
Carlos Eduardo Leite Ferreira Suplente Externo
Hudson Tercio Pinheiro Examinador Externo
Jean-Christophe Joyeux Orientador

Resumo: Resumo
Áreas Marinhas Protegidas (AMPs) são reconhecidas como uma importante ferramenta para a conservação de ambientes recifais. A crescente preocupação do público com o meio ambiente, aliado ao grande apelo estético de áreas protegidas criaram atividades massivas de turismo nas unidades de conservação. Porém os efeitos dos distúrbios gerados pela presença humana em AMPs ainda são pouco conhecidos. O objetivo do presente trabalho é investigar o papel que diferentes níveis de proteção (i.e. locais visitados e não visitados) podem exercer sobre a cobertura bentônica e a comunidade de peixes recifais no Arquipélago dos Abrolhos. Foram realizados transectos de 20 metros de extensão para amostrar a cobertura bentônica (através de foto-quadrats do fundo) e a comunidade de peixes (através de censos visuais) em diferentes locais do Arquipélago. Os parâmetros descritores das comunidades foram testados para variações espaciais e temporais através de análises multivariadas. A biomassa de peixes se mostrou estruturada de maneira mais homogênea entre os grupos tróficos nos locais não visitados. Além disso, essas áreas apresentaram maior biomassa e abundância de piscívoros e herbívoros raspadores e maior porcentagem de corais quando comparadas aos locais visitados. A presença humana em AMPs se mostrou pervasiva para essas comunidades recifais, uma vez que as diferenças observadas entre níveis de proteção não dependem das variáveis ambientais. Apesar dos efeitos da proteção da pesca já serem significativos para a conservação dos ambientes recifais, inclusive para a região de Abrolhos, a delimitação de áreas intocáveis (intangíveis), onde nenhuma atividade humana é permitida é um fator que pode potencializar a conservação desses ambientes.
Palavras chave: Peixes recifais, piscívoros, Abrolhos, presença humana.

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910